Luma Elora Aislin

Luma Elora Aislin
Sabá de Ostara

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

A criação....pela bruxaria....



Entre os Mundos
CRIAÇÃO
Solitária, majestosa, plena em si Mesma, a Deusa, Ela, cujo nome não pode ser dito, flutuava no abismo da escuridão, antes do início de todas as coisas.  E quando Ela mirou o espelho curvo do espaço negro, Ela viu com a sua luz o seu reflexo radiante e apaixonou-se por ele.  Ela induziu-o a se expandir devido ao seu poder e fez amor consigo mesma e chamou Ela de "Miria, a Magnjica
O seu êxtase irrompeu na única canção de tudo que é, foi ou será, e com a canção surgiu o movimento, ondas que jorravam para fora e se transformaram em todas as esferas e círculos dos mundos. A Deusa encheu-se de amor, que crescia, e deu à luz uma chuva de espíritos luminosos que ocuparam os mundos e tornaram-se todos os seres.
Mas, naquele grande movimento, Miria foi levada embora, e enquanto Ela saía da Deusa, tornava-se mais masculina.  Primeiro, Ela tornou-se o Deus Azul, o bondoso e risonho deus do amor.  Então, transformou-se no Verde, coberto de vinhas, enraizado na terra, o espírito de todas as coisas que crescem.  Por fim, tornou-se o Deus da Força, o Caçador, cujo rosto é o sol vermelho mas, no entanto, escuro como a morte.  Mas o desejo sempre o devolve à Deusa, de modo que ele a Ela circula eternamente, buscando retornar em amor.
Tudo começou em amor; tudo busca retornar em amor.  O amor é a lei,     mestre da sabedoria e o grande revelador dos mistérios.
"A idéia dos sioux sobre as criaturas vivas é a de que as árvores, o búfalo e os homens são espirais de energia temporária, padrões de turbulência... esse é um reconhecimento intuitivo e primitivo da energia como uma qualidade da matéria.  Mas esse é um insight antigo, sabe-se extremamente antigo - provavelmente o insight de um xamã paleolítico.  Essa percepção encontra-se registrada de várias maneiras no saber primitivo e arcaico.  Diria que esta é, provavelmente, o insight fundamental da natureza das coisas, e que a nossa visão ocidental, recente e mais comum, sobre o universo como sendo constituído de coisas fixas está fora da direção principal, um afastamento da percepção humana fundamental."
Gary Snyder'
A mitologia e a cosmologia da Bruxaria estão enraizadas naquela "intuição de um xamã paleolítico": a de que todas as coisas são espirais de energia, vórtices de forças em movimento, correntes em um mar sempre em mutação.  Subjacente à aparência de isolamento, de objetos fixos em um curso linear de tempo, a realidade é um campo de energias que se solidifica, temporariamente, em formas.  Com o tempo, todas as coisas "fixas" se dissolvem, apenas para se fundirem novamente em novas formas, novos veículos.
Esta visão do universo como uma interação de forças em movimento - a qual, incidentalmente, corresponde, em um grau surpreendente, aos pontos de vista da física moderna - é o produto de um tipo muito especial de percepção.  A consciência comum que desperta vê o mundo como sendo fixo; ela focaliza uma coisa de cada vez, isolando-a do entorno, um pouco como ver uma floresta escura com o auxílio de um estreito raio de luz que ilumina uma só folha ou uma pedra solitária.  A consciência extraordinária, a outra modalidade de percepção, é ampla, holística e indiferenciada, enxerga padrões e relacionamentos no lugar de objetos fixos. É a modalidade da luz das estrelas: pálida e prateada, revelando o jogo de rumos entre laçados e a dança das sombras, sentindo caminhos como espaços no todo.

Starhawk em A Dança Cósmica Das Feiticeiras.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Um esclarecimento do texto sobre morte e renascimento.




Desculpe, minha querida amiga, se não me fiz entender direito. É bem simples, o que quis dizer foi uma maneira de como ocorre na prática as coisas dessa vida, sabe, foi um reforço a tudo que li aqui.
Cris, vivências de morte e renascimento, as vivemos todos os instantes, de maneira natural, no nosso dia a dia, e a maioria das pessoas nem percebem.............e mais, quis explicar aqui como as coisas ocorrem, quando muitas pessoas disparam alucinadamente pelas vivências místicas, como um atalho, entendeu?
Esse boom de Nova Era, de exposição do que até então era prática de ordens secretas, de religiões que praticavam a magia, como prática usual, como o Xamanismo, por exemplo. Agora, as coisas estão aí, para todos..............as práticas ocultistas, os rituais sagrados, o retorno da religião antiga, ou melhor da forma de religiosidade antiga, está novamente em evidência e crescimento......e eu fiz, apenas um comparativo, do que foi, antes e do que está acontecendo, compreende? dei um exemplo prático de como as mulheres no caso procediam com seus corpos, enquanto sacerdotisas, e agora nos dias de hoje.
Foi um explanar genérico do que observei muitas vezes, em encontros em seminários, é uma das lutas e tristezas, que temos, eu e o Val, e qualquer bruxo, que tente resgatar os valores antigos, sabe, o que ocorre é uma busca desesperada, sem que as pessoas tentem realmente entender e realmente percorrer o caminho como deve ser. Sei que muitas coisas mudaram, não há como retornar no tempo, minha querida, como tu disse  muito bem, o movimento do crescer, é eterno, é contínuo, mas existe um mínimo de coisa, que não pode ser desprezada,é aí que entra o conhecimento de nós mesmos, e isso inclui nosso corpo, enquanto matéria, ele é nosso primeiro laboratório, minha querida. Então, dei o exemplo de uma coisa que vivi, em que as pessoas querem mergulhar no conhecimento profundo das coisas do espírito, da magia, e não conhece seu próprio corpo, entendeu? Daí resulta uma falsa magia, um falso percorrer de caminho, se tem a de que estamos trilhando, de que estamos crescendo, mas a coisa de dá de forma meio enganosa....................percebe uma coisa Cris, veja bem, sabe porque digo isso, porque estou nesse caminho a longo tempo, porque vejo o sofrimento de muitos que buscam o caminho, e saem em debandada, tristes e desiludidos, porque esperavam por uma coisa que não aconteceu. Tinham uma perspectiva completamente distorcida de como seria percorrer e fluir no caminho. Basicamente, foi isso que tentei colocar aqui, sobre a desilusão, das pessoas, frente ao trilhar, quando as coisas não são bem feitas.

Amada, espero de todo coração ter esclarecido tuas dúvidas, qualquer dúvida, não receies, venha de novo a mim, se tem uma coisa que adoro é interagir com quem se preocupa em conhecer, vivenciar com cuidado e amor o caminho que escolheu.

Parece que ao escrever o texto abaixo não fui muito claro e um questionamento surgiu e se por ventura vier a surgir novamente aí está outra parte do texto....

Luma Elora Aislin

Texto, sobre morte e renascimento....




Nascer e morrer....todos os dias morremos umas gotas,às vezes temos experiências que nos matam um números de gotas bem maior do que julgamos suportar, aí mergulhamos na noite escura da alma, quando nos sentimos mortos em vida, vivemos tudo em preto e branco, e as emoções se esvaem..................parece que mais nada nesse mundo terá o dom de nos fazer reviver, a dor da indiferença que nos cerca, é algo de arrepiar............olhar a volta, e não ver nada, absolutamente nada, que nos motive o retorno, dessa forma de experiência é que se extrai a máxima, de que ninguém, nem nada tem o poder de te fazer feliz, que a tal da sensação de se sentir feliz, está no teu interior, e quem não descobrir sua própria mina, estará a mercê de outrens, ai! penso eu ser essa a pior forma de vida, e ser esse o pior dos pesadelos, oferecer tamanho poder aos outros é viver morto em vida, para essas pessoas, e que na realidade são muitas, são a maioria, um ritual de morte e renascimento xamânico, seria algo, como diria, bombástico! conheço um número de desavisados, que desagregaram de vez! desenvolveram uma maneira doida de vida instantânea, que viraram poços de superficialidade.........em que tudo é permitido em favor do tal renascimento, da tal essência, do tal fazer-se vivo e feliz por si só.
Infelizmente, minha experiência, com alguns "renascidos" é de doer, foi um mergulho sem volta na piscina de egos, mas tudo bem, cada um tem seu ritmo próprio seu momento e seu viver.....................e isso só acontece pela total falta de conexão com o que está a volta, com a natureza, o universo em que estamos mergulhados...............me ocorreu agora um exemplo prático de um momento que vivi, numa dessas experiências místicas, dessas maravilhas despertas da nova era, em uma discussão que surgiu, eu, muito tonta, não sei como lancei a história do conhecimento de corpo, e que como as mulheres, e quantas mulheres sabiam quando estavam ovulando, foi um estouro não sei nem como sobrevivi................e elas estavam com razão, afinal se as "sábias" mulheres tivessem como sentir e saber tal coisa, não precisaria os tais métodos contraceptivos, já pensaram que maravilha, as mulheres saberem como controlar seu corpo, saber a hora exata de sua ovulação, parece que não nasceria tantas crianças indesejáveis, e outras que querem e não acertam poderiam corrigir seus ponteiros.

Bem partindo do pressuposto, que a cada mês, essas filhas da Deusa, filhas da terra, possuidoras dentro de sí, de um processo mágico de morte e renascimento, que dura até o próximo ciclo, em que sai do arquétipo de Deusa Mãe, e entra no arquétipo de anciã, onde deveria executar a mestria das novas deusas jovens, tarefa sublime e grandiosa, como aprender, se não tem quem ensine, e como ensinar se não aprenderam........tudo nesse tempo é cíclico  anda sempre para o recomeço e como recomeçar se perdeu-se a sabedoria, o respeito primevo...................e olha que só estou falando das mulheres, que dizer dos homens, que quando executam o ato sexual, não tem e nem querem ter a mínima noção do que estão realmente fazendo, ah! quando encontramos gentis cavalheiros que se preocupam em usar camisinha ou perguntar e saber de fato que sua consorte "do momento" está devidamente protegida, já temos aí um avanço digno de honrarias, não haveria tantas crianças dormindo nas calçadas, com um frio, aqui no sul de 2º abaixo de zero!
Vocês devem estar pensando que enlouqueci..................mas, antes de me julgarem, pensem, pensem bem, o que os caracteriza estarem aqui! são seus eus espirituais, astrais, mentais? em que dimensão estamos? e quantas pessoas vocês conhecem que dominam o conhecimento de seus corpos, controlam os desejos que os hormônios provocam?
Será que nascer e renascer espiritualmente, em experiência simulada, sim, porque se não há realmente a morte física, tudo é simulação, com finalidade de crescimento espiritual, de despertar a consciência, não é mesmo?
Se esse despertar servir para que tenhamos mais respeito pelos outros e por quem está a nossa volta, seria uma realidade maravilhosa! Seria uma evolução planetária e tanta!
Por isso que apesar dos erros maiores que os acertos, eu ainda acho, que feito os devidos estudos, refeitos os mesmos e obedecendo um chamado do espírito, aquele chamado desesperado do tentar reencontrar-se, será sempre uma experiência válida, é no mínimo uma uma tentativa de um despertar de consciência, que pode levar fazer brotar uma nova semente mais pura, mais bem preparada para superar as adversidades.
Boas experiências, bons aprendizados..................possam todos aqui depurarem pelo menos um pouco da falsa magia, em que estivemos mergulhados, como raça, nos últimos séculos, ou pensando bem, milênios.

Bençãos Plenas!


Um texto em que resolvi dar pitacos sobre experiências de morte e renascimento.....em 11/7/2007.

Luma Elora Aislin

terça-feira, 9 de outubro de 2012

A Natureza Humana do Elemento Água.




A Natureza Humana do Elemento Água


" Qualquer força é sempre a
residência de um Deva ou de um Elemental."



Agora veremos algo bem significativo que diz respeito a relação entre as coisas existentes e os elementos da natureza. Em geral tudo guarda estreita relação com os quatro elementos básicos assim sendo podemos dizer que todos os elementos da natureza[1] entram na constituição do corpo dos seres que habitam a terra. Mas em cada espécie, e mesmo em cada ser, algum dos elementos predomina e isso faz com que existam afinidades marcantes entre os seres e os elementais.

" O homem acredita constituir-se um único ser mas na realidade ele não passa de uma coleção de biliões de seres ( cada célula é um ser tanto ou quanto independente). Ele crê possuir um total livre-arbítrio e não o tem, crê agir por conta própria e no entanto sofre a influência de todos os que estão dentro e for de si. Quando crê possuir uma coisa essa coisa é também propriedade de outros seres que ele nem ao menos consegue ver" - Mestre Philippe.
Toda pessoa é formada pela matéria dos quatro elementos portanto sujeito a força dos quatro elementais que a constitui.

Numa determinada coisa sempre algum dos elementos predomina e isto também acontece não somente no que diz respeito às coisas em geral mas também ao próprio ser humano. Uma pessoa, ou mesmo um animal qualquer, sempre mantém estreita relação com algum dos elementos e este lhe é particularmente favorável.

Em decorrência da maior ou menor intimidade os elementos as pessoas guardam características ligadas a um determinado elemento. Isto é o que faz com que freqüentemente vejam-se pessoas que apresentam qualidades especiais para determinadas atividades que algumas vezes refletem-se em condições que o vulgo atribui ao acaso, à "sorte". Diz-se, por exemplo, que uma pessoa tem "mão verde", isto é, "mão boa" para plantas; outras para acender fogo, outras para achar água, localizar lençóis de água no subsolo, para encontrar minerais e coisas assim. Isto é verdade e acontece exatamente em decorrência da relação predominante entre a pessoa e um dos elementos.

A pessoa pode ser predominantemente ou terra, ou ar, ou água, ou fogo[2] e isto é o que estabele-ce as afinidades pessoais como veremos em palestras seguintes, mas como em todo organismo sempre estão presentes os 4 elementos da natureza consequentemente nunca se encontra uma pessoa que seja, por exemplo, somente água, ou somente ar, etc. Na realidade há o predomínio de um elemento mas como um todo a pessoa é uma miscelânea de atributos dos elementos.
Não são apenas os oficialmente denominados seres vivos que são constituídos pelos quatro elementos. Na realidade isto acontece com todas as formas de existências presentes no mundo. Uma montanha, por exemplo, não é constituída somente de terra, nela há também cavernas onde se apresenta o elemento ar, há veios e depósitos de água, assim como o fogo está presente sob a forma de calor das rochas e muitas vezes formando rios de lava e vulcões. O fogo ( calor ) está presente em todos os átomos e mesmo entre os átomos há espaços preenchidos por algo que algumas pessoas chamam de éter que também é considerado um dos sete elementos básicos da natureza. [3]Assim, podemos dizer que uma montanha está ligada aos 4 elementos. O mesmo se pode dizer da água, quer seja uma fonte, um rio, um lago ou um oceano. Nestes há sempre a presença do elemento terra ( minerais), do elemento fogo ( calor ) de do elemento ar ( gases em dissolução).

No Japão uma das religiões predominantes é o Xintoísmo. Nesta religião há muitos mistérios ligados às forças da natureza. Há, por assim dizer, um séquito imenso de elementais, que são chamados de Kamis, reverenciados em toda tradição xintoísta. Há os kamis dos rios, das montanhas, dos lagos, das arvores, da agricultura, enfim uma plêiade imensa deles inerentes à cada coisa que existe..

Em decorrência da influência xintoísta no Japão as pedras são muito respeitada e até mesmo veneradas, a muitas delas são atribuído qualidades ocultas ligadas exatamente aos Kamis. O fogo é de suma importância na Tradição Xintoísta, onde se diz que o universo nasceu do fogo que depois, em parte, se transformou em água. O fogo se penetrou na terra onde se escondeu.

No Japão fala-se do deus do fogo, o qual é um deus muito temido por ser responsável pelos vulcões e incêndios mas que, por outro lado, também é venerado por ser ele que purifica o mundo e destrói o mal. Lá existe um festival, o hi-matsuri, em cujo ritual os adeptos do Shugendo devem caminhar sobre brasas com os pés descalços. Os kamis dos ventos são os responsáveis pelas modificações atmosféricas.

Seria necessário um livro grande para descrever a relação do xintoísmo com os elementos da natureza, e dizem que esse conhecimento é muito antigo e procede da Atlântida.

Nas religiões baseadas na Cabala os elementais sob alguma forma estão presentes e até mesmo citados os mas mais elevadas expressões angelicais, tanto é assim que é dito que Miguel governa o vento do leste, Rafael, o vento do oeste, Gabriel , o vento Norte , e Uriel, o vendo sul.

"Nosso sentimento da realidade neste mundo material é totalmente ilusório. Nada conhecemos da verdadeira natureza dos objetos e dos seres, mas apenas as impressões que produzem sobre nossos sentidos, e deduzimos conclusões, quase sempre errôneas, do conjunto dessas impressões." Annie W. Besant.

Nesta palestra queremos mostrar algumas características ligadas à pessoa humana que por sua natureza ao elemento água.

A água é a fonte da vida, a mãe de todas as coisas, por isso a mulher "água" é muito maternal e dotada de muita sensualidade. As meninas gostam de brincar com bonecas, de casinhas e algo assim. São aquelas crianças muito afeitas a banhos, que gostam de levar os brinquedinhos para o banho e brincar na água com eles enquanto se banham.


flores
As pessoas do Elemento Água correspondem ao chamado BIOTIPO RENAL - Shao Yin - ( que os japoneses denominam "Tipo Frango" ).

Fisicamente têm pouco brilho nos olhos, têm pele macia , e pouca transpiração.

As pessoas de "água" são basicamente introvertidas, tímidas, sensíveis e responsáveis. São pessoas racionais, lógicas, pensativas, organizadas e aplicadas, e que apegam-se muito a detalhes. São artistas, temperamentais, ciumentas, que guardam mágoas e rancores passando a serem até mesmo muito vingativas. São muito egocêntricas mas gostam de agradar àqueles de quem gostam.
São pessoas afinadas com seus próprios sentimentos. Nelas prevalece o reino das emoções profundas e das reações dos sentimentos , indo desde paixões compulsiva e temores irresistíveis , até uma aceitação e um amor que abrange toda a criação. por isto facilmente choram, inundam-se com lágrimas e facilmente envolvem-se compassivamente com situações passionais. Têm grande amor pela natureza.

As pessoas de água ( renais ), como a própria natureza dela nos mostra, não têm solidez nem formas próprias. Ficam mais felizes quando a sua fluidez é diretamente direcionada por outrem. Especialmente pelos de "terra", que possuem a solidez na qual a água pode se apoiar. São pessoas que por fora apresentam calma mas em níveis mais profundos esconde-se um temperamento nervoso e muitas vezes violento. A água numa represa aparenta calma e serenidade, mas com o rompimento do dique a retém ela pode manifestar uma violência imensa. Tendem a sentir aversão por aqueles que são turbulentos, como aqueles de personalidade forte, tais como ar e fogo.

A sensibilidade de água é tamanha, e a sua vulnerabilidade à magoa tão pronunciada, que se as reações emocionais não forem controladas e adequadamente canalizadas, podem levá-las a um estado de instabilidade emocional e à uma predisposição para serem influenciados com demais facilidade pelo mais leve vento que sopre. Contudo essa sensibilidade não deve ser considerada uma fraqueza, pois a água tem grande força e tem um longo e importante poder, especialmente quando é canalizada de uma forma concentrada.

Um sábio chinês do século XI, citado por John Blofeld, p. 78 de seu livro "The Wheel of Live" diz: " Entre todos os elementos, o Sábio tomaria a água como seu preceptor. A água é submissa mas conquista tudo. A Água extingue o fogo, ou, vendo que pode ser derrotada, escapa como vapor e toma nova forma. A água carrega a terra macia, ou, quando desafiada pelas rochas, procura um caminho em torno... Satura a atmosfera de modo que o vento morre. A água é humilde mas não submissa, ela cede passagem para os obstáculos com uma humildade enganadora, pois nenhum poder pode impedi-la de seguir o seu caminho traçado rumo ao mar. A água conquista submetendo-se , nunca ataca mas sempre ganha a última batalha.".

As pessoas do tipo "água" podem facilmente ser sensacionalistas porque gostam de cultivar potencialmente tempestades interiores e que podem apresentar distúrbios emotivos quando sentem a vida chata. Têm tendência a ferir as pessoas quando rompem-se os "diques", quando não conseguem controlar suas emoções e então são capazes de ocasionar confusões. A sensibilidade de "água" não é fraqueza, veja-se que a água represada é algo muito forte.

Como um renal o indivíduo água tem excesso de energia no rim e falta de energia no estômago. Por isto os seus sintomas mais freqüentes são oriundos de distúrbios digestivos ( baço, pâncreas e estômago ).

Os elemento de alguma forma sempre se refletem na personalidade da pessoa. Assim sendo é fácil se compreender como é uma pessoa "água". Ela apresenta propensão para a arte de curar; em esportes preferem os esportes aquáticos; admiram os seres da água, gostam de decoração com aquários e coisas assim, preferem profissões ligadas à medicina ou ligadas a mares, rios e meios aquáticos em geral.

O indivíduo água têm predisposição exagerada para a limpeza.

Embora muitos sejam pescadores via de regra não apreciam muito os frutos do mar como alimento. Isto decorre do domínio dos ementais da água. Despertam-lhes o lado emotivo.

Têm grande incidência de sonhos com ambientes aquáticos.

As pessoas água acomodam-se facilmente, adaptam-se bem às situações embora não tendam a permanecer assim se não forem mais contidas. A água se adapta, se amolda facilmente a um vaso mas se as paredes do vaso forem rompidas ela logo extravasa tomando uma outra forma.

Por outro lado, quando em desequilíbrio emocional, quando entram em desarmonia com os elementais da água afogam-se em paixões sensuais e tendem a manifestar distúrbios circulatórios e doenças circulatórias. Quando em profundo desequilíbrio tende ao suicídio por afogamento..

Gostam de ver a água fluir, o marulho da de um regato, o barulho das águas, as ondas batendo nas praias; preferem morar numa praia, à margem de um lago ou rio. Sentem-se bem tanto física quanto emocionalmente nos dias de chuva, e deleitam-se em ver a chuva cair ou mesmo de sentir na pele os respingos. Como profissão talvez seja pescador, escolherá estudos oceanográficos, prefere morar a margem de um lago ou numa praia.

As fadigas, cansaços, em todas as situações em que haja perda de energia a pessoa água se recompõe facilmente na beira de um rio, na margem de um lago, numa praia , ou mesmo com u banho refrescante. Quando há predominância água/fogo curam-se muitas vezes com banhos termais, escalda-pés e algo assim.

Os elementos da natureza têm características próprias, um tem poder sobre os outros, um contro-la outro tornado resultando disto o equilíbrio da natureza. A água, por exemplo, pode ser detida até certo limite pelo elemento terra. Com o elemento terra se faz uma barragem capaz de controlar a água, se faz um recipiente, um vaso que pode conter a água, mas esta pode amolecer a terra, dissolve-la. A água apaga o fogo mas por sua vez o fogo transforma o estado físico da água ( evaporação). A terra apaga o fogo mas o fogo pode transformar o estado da terra, derrete as rochas gerando os vulcões; transforma as rochas em lava. O ar tanto pode intensificar o fogo quanto apaga-lo; ele movimenta a água criando as ondas. O fogo ( calor) aquece o ar gerando diferenças de pressão atmosférica que ocasiona os ventos, que e que mobilizam a própria água. Com terra pode-se provocar ( atrito entre duas pedras gera faiscas) ou apagar o fogo.

Pelo que acabamos de dizer entende-se que vendavais, ventanias, tufões, furacões, ciclones, maremotos tudo isto resulta da interação dos elementos.

Vimos alguns exemplos da interação dos elementos da natureza mas outras situações podem ser imaginadas relativas às interferências elementais que formam o sistema auto-controlador da natureza.

" Assim como é em cima é em baixo"... Em obediência a este princípio hermético o comportamento dos elementos da natureza refletem-se nas pessoas caracterizando-as sob os mais diversos tipos comportamentais. A maneira de ser de uma pessoa em grande parte é decorrente do elemento a que ele esteja mais ou menos ligado. Diante dessa afirmativa poder-se-ia indagar: E o grau do espirito não é o responsável pela maneira de ser de uma pessoa ? - Na realidade sim, mesmo que o corpo seja fruto da estruturação genética, por sua vez o espirito que recebe aquele corpo é porque ele o está merecendo e isto é uma decorrência da lei de ressonância vibratória. Por exemplo, um má formação física pode ter causa genética, ser decorrência da hereditariedade biológica mas na realidade aquele corpo geneticamente estruturado daquela forma é exatamente o que aquele espirito está necessitando.

De igual maneira, entenda-se que, mesmo que os elementos determinem modos de ser do organismo esses modos de ser retratam perfeitamente as qualidades daquele espirito. Dissemos que uma predominância do elemento água [4] acarreta nas mulheres uma natureza bem maternal, assim sendo um espirito que na sua caminhada tenha já desenvolveu bem essa qualidade, ou que tenha algum carma que precise desse tipo de caráter, por certo encarnará como uma pessoa água.

A afinidade entre a pessoa e um elemento resulta da harmonia vibratória entre o elemento e a pessoa, pois isto é apenas um efeito de ressonância. Cada espirito encarna o corpo que merece. mesmo que esse corpo físico seja fruto da hereditariedade.

No Oriente o mais elevado Devas ligada ao elemento água recebe o nome de Varuma, o Senhor da água.


********************



Autor: José Laércio do Egito - F.R.C.

A Natureza Humana do Elemento Ar.



A Natureza Humana do Elemento Ar


" Temei o obstáculo do fracasso,
e a armadilha do sucesso."





Na caminhada do desenvolvimento espiritual os elementos intervêm na natureza da pessoa pois o elemento predominante no indivíduo condiciona em parte a sua forma de agir e de pensar. Por sua vez a pessoa molda formas de pensamento no astral segundo a sua própria maneira de ser, assim ela cria uma categoria elementares artificiais. Estes são formas criadas pela mente das pessoas, por isso é que o mundo astral encerra uma inconcebível variedades de coisas, desde que ali existe uma réplica de tudo quanto há no plano físico, e muito mais, pois devem ser também levados em conta também a existência daqueles elementais criados pelo pensamento das pessoas além de tudo aquilo que tem ali o seu próprio plano existencial.
Pelo que afirmamos conclui-se que muitas coisas que existem com formas no astral, no mundo material elas existem apenas como pensamentos.

No plano astral existem todos os elementais que correspondem aos elementos da natureza sob as suas mais diversificadas formas e também uma imensa quantidade de elementais artificiais, aqueles gerados pela mente das pessoas. Na realidade esses são formas relativamente efêmeras.

Muitas culturas do mundo inteiro incluem os quatro elementos nas suas tradições filosóficas, religiosas ou mitológicas. A maioria dessas tradições postula uma energia primaria que então se manifesta como correntes de "reduzida", conhecida como elementos, um processo que se assemelha ao funcionamento de um transformador elétrico. Esta energia primaria recebeu muitos nomes: prana força vital, QI e outros. Em toas as culturas desta energia têm sido idênticas, muito embora os nomes dados para a força primaria e para as próprios elementos tenham variado.

Na palestra anterior analisamos algumas peculiaridades das pessoas do elemento água e vejamos agora como é uma pessoa do elemento ar.

Este elemento retrata pessoas que preferem esportes como, por exemplo, o pára-quedismo. São pessoas que se sentem bem em lugares altos e que por isso, em parte, como profissão dão preferência a atividades de piloto de aviões, aeromoças, equilibristas, trapezistas e coisas assim. Também gostam muito de pescar especialmente enquanto paralelamente têm como segundo elemento a água.

Correspondem ao BIOTIPO HEPÁTICO - Tai Yang - ( que os japoneses costumam chamar "tipo sardinha ") .

São pessoas progressistas, revolucionárias, pioneiras, sendo muitas vezes não bem compreendidas pela sociedade convencional.

Têm idéias que sensibilizam as pessoas facilmente, são simpáticas e envolventes. Têm dificuldades de aceitar as limitações do corpo. Como acontece com Fogo as pessoas ar tem olhos muito vivos e brilhantes.

Em esportes gostam de asa delta e quando criança gostam de brincar com aviões de papel pipas de papel, aero-modelismo e coisas assim.

São pessoas que adoram a brisa, as correntes de ar por isso não toleram bem ambientes confinados, trabalho em salas fechadas, etc.

Por outro lado são tendentes às doenças respiratórias, que pioram em lugares fechados, abafados. No tratamento da saúde, mais que remédios, preferem exercícios respiratórios ( Hatha Ioga, por exemplo) como forma de tratamento. Tem excesso de energia no pulmão e pouca energia no fígado.

Geralmente são pessoas que pensam muito, são inteligentes, por isto bastante criativas, com forte dose de autoconfiança naquilo que fazem mas sem grande poder de decisão naquilo que pretendem. Dotadas de orgulho e amor próprio embora que via de regra sejam um tanto fúteis, facilmente influenciáveis, sem vontade muito definida. Quando em exagero corresponde aquele tipo de pessoa que o povo chama de " Maria vai com as outras".

Quando recebem a devida atenção são dóceis, fáceis de ser conduzidas, mas quando são atingidas além de um determinado limite elas podem explodir em cólera violenta ( É o tufão, o furacão ). Nesta situação chegam a dominar o elemento água e terra, e mesmo fogo.

Não suportam o sofrimento nem em si e nem nos outros, quando se machucam dizem sopra, sopra...

São criativas, tendem a estimular a inspiração e a criatividade. A sexualidade não está no topo da lista de prioridades.

Admiram os seres alados, dos pássaros e não suportam vê-los maltratados ou presos. As faculdades mentais estão muito ligadas a esse elemento.

Sintomas mais comuns: tensões nas costas, principalmente na região cervical. Grande tendência a gazes, flatulência, e acidez. Apresenta falta de energia no fígado e excesso no pulmão. Fazem-lhe bem as frutas ácidas em doses moderadas pois nutrem o fígado, porém em doses excessivas agridem.

As pessoas conforme a natureza elemental, refletem os arquétipos de sua linha especialmente em se tratando do elemento ar. Assim, podemos dizer que a sintonia com um silfo pessoal confere-lhe acesso ao reino dos arquétipos. Por isto as pessoas do elemento ar gostam muito das coisas imponderáveis, das coisas que não se apresentam com formas concretas. Vejam que o ar é assim, ele existe em torno de nós mas não podemos segurá-lo por ser algo fugidio. Assim as pessoas ar gostam muito do sobrenatural, do mediunismo, de cartomância, e tantas outras artes adivinhatórias. Isto, mais que uma virtude, está sujeito a ser um peso existencial pois que não são poucas as pessoas que adquirem carma pelo exercício desse tipo de atividades. O carma assim adquirido faz com que, muitas vezes, em outras encarnações elas sintam-se atraídas pelo ocultismo mas ao mesmo tempo tenham grande medo dele.

Quando em desarmonia as pessoas ar tendem a o suicídio pulando de lugares altos. Também têm tendência para doenças respiratórias.

Têm tendência à expansão, por isso uma pessoa ar possa se tornar facilmente um idealista, um "visionário", um ideólogo, filósofo, pensador, ou seja, quando não fazem o corpo voar os fazem a mente. São pessoas ágeis no pensar, tendentes ao teorismo ( o inverso do que acontece com uma pessoa terra que tendem ao lado prático e objetivo das coisas ).

São pessoas que vivem no reino abstrato do pensamento, e para eles um pensamento é simplesmente tão real, ou, mesmo ainda mais real, ou pelo menos mais importante que um objeto material ( exatamente o oposto de "terra"). Vivem em seus sentimentos e, mais do que qualquer outra coisa, o estado emocional deles, é que determina o padrão de comportamento. Comparando-se com "fogo": vemos que este vivem uma atividade inspirada e altamente excitadas mas que não vivem no mundo abstrato como "ar".

Os silfos facilitam a compreensão e promovem a inspiração, por isso as pessoas ar têm tendência para as artes, especialmente para a música, a poesia, e a pintura. O tipo elemental de uma pessoa faz com que ela seja, por exemplo, um artista; exatamente porém isto está mais intensamente presente nas pessoas ar. Uma pessoa quando é um artista ela retrata mais as coisas ligadas ao seu elemento individual.

Pessoas do elemento ar gostam de expandir a sabedoria e geralmente são muito curiosas. Necessitam de canais de expressão através dos quais possam dar vazão à livre expressão de idéias e liberdade intelectual. Preferem, por isto, profissões ligadas à comunicação, são os radialistas, jornalistas, comunicadores em geral. Nas ruas os vemos geralmente "camelôs" e divulgadores de produtos e coisas assim.

Não suportam os ambientes confinados, querem o ar livre parra o exercício profissional. As profissões que devem ser exercidas dentro de salas, presas a escrivaninhas e balcões as entediam muito.


As mulheres ar são as mais volúveis de todas, pois têm sentimentos pouco presos às coisas concretas. Gostam de futilidades, de festas e exibições. São excessivamente ligadas a modas, aos desfiles de modas, querem sempre novidades no vestir, muito afeitas às maquilagens e mudam de aspecto tão facilmente quanto o faz um camaleão. Muitas vezes maquilam-se exageradamente ou em muitos casos vestem-se com roupas de cores e modelos aberrantes.

São pessoas que amoldam-se com facilidade às situações mas que não permanecem assim por muito tempo ( O ar amolda-se facilmente a um recipiente mas sempre está tendendo a escapar pelo menor orifício), na primeira oportunidade tomam uma outra forma qualquer.
São perdulárias, gastam muito, não pensam muito no futuro.

As mulheres do elemento ar não são muito afeitas a cuidar de crianças, preferem mais participar de festas e passeios do que ficar cuidando dos afazeres do lar. Não são muito de cuidar dos filhos, mas, por outro lado, são bem amigas e carinhosas com os filhos, e com todas as pessoas. Apaixonam-se facilmente, mas de igual maneira esquecem. Mudam de marido e vice-versa com facilidade e também estão sujeitas a se prostituirem com relativa facilidade.

Ar, são pessoas que gostam de toques físicos, são afetuosas, adoram ser acariciadas. São pessoas que têm grande atração pelo elemento fogo, as mulheres ar levam os homens fogo a situações passionais que podem atingir uma grande intensidade e vice-versa.

Os homens ar também são muito volúveis, os seus sentimentos não têm fortes raízes, por isso traem com grande facilidade. Não permanecem por muito tempo numa mesma classe de emprego, de trabalho, sentem a necessidade de mudar constantemente. Geralmente não são aqueles pais muito ligados ao lar, deixam as responsabilidade de lado, preferem sair de casa, visitar lugares, pessoas, farras e coisas assim.

Por serem pessoas volúveis magoam facilmente os entes queridos mas quando tomam consciência disto sofrem pois são essencialmente amorosas; apenas não compreendem o quanto uma ato pode atingir uma pessoa.

A liberdade é o seu forte, agora aqui, um instante depois ali, não lhes interessa muito os lugares, o importante é mudar. Assim, podemos dizer que são pessoas que não toleram, por exemplo, passar duas férias seguidas num mesmo lugar. Tem grande tendência ao novo, às renovações, quer sejam elas físicas, ou no trabalho, assim sendo hoje estão aqui e amanhã acolá.

Gostam de viajar, por isso são os vendedores viajantes, caminhoneiros, guia de turismo e coisas assim. O ar não para, assim também é a pessoa ligada a esse elemento vive em constante movimentação. Pessoas que gostam de mudanças em tudo, mudam de residências, mudam de amores, mudam de profissões, mudam de preferencias, com a maior facilidade.

Nesta fase de nossos estudos aconselhamos que o discípulo analise, medite sobre os quatro elementos visando conhecer suas peculiaridades e por certo constatará que as qualidades dos elementos da natureza se fazem claramente presentes nas pessoas moldando-lhes a personalidade. Esta análise evidencia que as pessoas apresentam exatamente as mesmas características dos elementos. Todas as características pessoais retratam elementos da natureza, quer isolada quer combinadamente.

Examinando-se as qualidades dos elementos da natureza pode-se evidenciar que o quanto elas estão presentes nas pessoas. Tudo aquilo que os elementos apresentam em sua natureza se manifesta-se na pessoa em sua maneira de ser.

As coisas são combinações em proporções diferentes dos elementos e isto também é válido para as pessoas, as proporcionalidades dos elementos que existem nas diferentes coisas também existem nas pessoas. Cada um reflete não apenas um elemento mas uma somatórias de todos, salientando-se mais um ou mais outro. Por isso diz a Tradição que o que muda de uma pessoa para outra é fruto da proporção dos elementais. Há, é claro a predominância de um elemento e isto marca-lhe a personalidade básica de forma bem nítida mas, ao mesmo tempo, sente-se a presença dos demais elementos. Por exemplo, um alpinista possivelmente está ligado mais ao elemento ar ( gosto pelas alturas) e ao elemento terra ( montanha ).

O conhecimento sobre a natureza elemental de uma pessoa serve como teste vocacional, através disso[1] pode-se saber quais as profissões mais adequadas para ela, qual o melhor campo de atuação; pode-se saber o como ela reage ante as diversas situações da vida. O conhecimento elemental da pessoa até mesmo oferece um índice, com boa margem de segurança, para indicar o tipo de pessoa com quem é ela compatível para os negócios, sociedades, e para o matrimônio.

A partir dessas informações que estamos revelando é possível o desenvolvimento de um sistema psicológicos praticamente utilizável.

Conhecer a influência dos elementais na natureza humana é bem importante porque isto facilita a compreensão da pessoa sobre si mesma, a compreender as outras pessoas e até mesmo a compreender o mundo como um todo.

Vale a pena fazer comparações entre os quatro temperamentos para vermos quantas coisas erradas ocorrem por falta desse tipo de conhecimento. Mesmo na vida do dia a dia, na profissão a importância desate conhecimento se faz sentir pois a adaptação ou não a uma situação vivenciada muitas vezes diz respeito à sintonia ou não da pessoa com o seu elemento essencial. Tanto isto é verdade que existe a seguinte expressão: “Fulano é uma pessoa que está fora do seu elemento”. Isto quer dizer que aquela pessoa vivencia um campo de atividades que é estranho à sua verdadeira natureza. Por exemplo, uma pessoa de “ar” que tenha que viver numa sociedade bem material, exercendo uma função ligada à uma atividade física, ou mesmo integrar um grupo que lida com as coisas do mundo material, por certo ela sentir-se-á continuamente uma desajustada, embora esse tipo de vida seja ideal para um “terra”. Se aquela pessoa “ar” não arranjar alguma forma de compensação ela estará sujeita a entrar numa condição mental indesejável, no mínimo sentir-se-á muito infeliz. Num caso assim a pessoa deve procurar alguma forma de compensação dentro do seu elemento, isto é, deve se ligar à alguma forma de atividade própria do sua natureza, como, por exemplo, a um campo de atividade espiritual, ou metafísica. Em se tratando de uma pessoa “fogo” ela deve procurar uma atividade de liderança social, ou coisa equivalente. Uma pessoa de “água” precisa ter envolvimentos emocionais.

Assim torna-se mais fácil a administração de um conselho pois há o conhecimento da razão pela qual a pessoa dentro de um determinado grupo sentir-se deslocada, neurotizar-se e mesmo de assumirem posições diferentes daquelas que eram esperadas dela. Tudo torna-se mais fácil desde que seja entendido que pessoas “ar” são motivados por seus conceitos intelectuais; “água” por anseios emocionais mais profundos, “fogo” por inspirações e aspirações; “terra” por necessidades materiais.

Diz Carter:“ Se os psicólogos, psiquiatras e conselheiros de vários tipos, ao menos aprendessem classificar as pessoas segundo o elemento predominante, constituindo os tipos de personalidade, dariam um grande passo à frente nos seus esforços para deslindar as forças infinitamente complexas que atuam na motivação e no comportamento do ser humano ”.

“Exercendo uma atividade paralela em seu próprio elemento uma pessoa pode ‘recarregar as baterias’ para poder suportar uma atividade fora do seu elemento ”.

A pessoa pode procura estabelecer, conscientemente, uma sintonia com a energia do seu elemento por meio do cultivo e do contato físico intimo com esse elemento; pois, de uma forma real, os elementos de terra recebem o maior gradiente de energia do elemento “terra”, os de ar, do ar e assim por diante.

Uma pessoa “fogo” precisa estar ao ar livre, na luz solar, banhando-se no calor do fogo radiante que vem do Sol. Precisam manter-se fisicamente ativos a fim de captar a energia ígnea. Um “fogo” que tenha que ficar confinado por muito tempo e sem oportunidade de exercer movimentações, logo começa a sentir-se "estressado", irrequieto, nervoso e assim facilmente estará sujeito a entrar em depressão. Uma pessoa “ar” é particularmente sensível ao clima de montanha, ela precisa de ar limpo, leve, de uma qualidade de atmosfera que jamais é encontrada nas grandes cidades, ou nas planícies úmidas e nos vales.

Tudo isto diz muito do comportamento das pessoas na sociedade e por isto é que nos diz Lois H. Sargent em seu livro “Haw to Hadle Your Human Relations”: “ Os de ar, por exemplo tendem a se elevar acima dos conflitos e a flutuar ao redor deles, “Fogo” a se envolver com eles, “ água” a fugir deles e terra a enfrentá-los, tendem a resolver com a pessoa que causou o problema no seu caminho. Por seu turno os de “água” detestam todas as formas de conflitos, tendem a escorrer ao redor dos conflitos, por baixo deles ou sobre eles, ou então, se tudo falha, a desgastar lentamente a pessoa ou a coisa que está no seu caminho. Os “terra”, sendo bastante sólidos por natureza, tendem a desdenhar do conflito, preferindo absorver o impacto do problema. Todavia, quando forçado contra a parede, são capazes de enfrentar duramente o obstáculo com força total. Os “fogo” tendem a vencer os obstáculos, a queimá-los ou a afugentá-los, com uma demonstração de força. Raramente exibem um comportamento que poderia ser chamado de diplomático. Enquanto isto os de “ar” preferem ponderar as coisas e geralmente pensam bastante antes de agir. Os de “água” são impressionáveis, sensíveis e intuitivos, por isso inclinam-se a aguardar os acontecimentos de ter a oportunidade de encontrar uma orientação para a solução dos seus problemas.

A comprernão das carateristicas dos elrmentos refletidas na personalidsde pode contiuibuir de muitas maneiras para o autoconhecimento, mostrando como podemos viver melhor em nossa própria companhia, como podemos satisfazer as nosssa necessidades e revitalizar o nosso campo de nergia.

Os elementos também nos da uma indicação a respeito de como controlar e canalizar vantajosamente as nossas energias.

Para concluir vamos citar o grande mestre Paracelso, aquele que G. Jung considerou um precursor dos psicólogos modernos. Paracelso atribuiu um espirito da natureza, específica para cada um dos elementos. Esses espíritos ou algo equivalente são mencionados em todas as mitologias e simbolizam, o modo de atuação do elemento. Segundo Paracelso podemos trabalhar com essas forças.

Ele deu o nome de ondinas aos elementais ligados à água, Paracelso declarou que estes elementais devem ser controlados por meio da firmeza. Portanto, podemos aprender que as pessoas de “água” precisam ser firmes consigo mesmas e que às vezes, a firmeza é a melhor maneira de se lidar com uma pessoa “água”, especialmente quando suas emoções estão fora de controle.

Deu o nome sílfides aos elementais do ar e ensinou que eles podem ser controlados pela constância. É evidente que uma abordagem decisiva e constante da vida é algo que as pessoas de “ar ” devem cultivar. Para os de “ar ” é difícil assumir um compromisso com uma determinada resolução, mas esse é um passo importante na evolução deles.

Os de “fogo” são as Salamandras, e que podem ser controladas principalmente pela serenidade. Em outras palavras, os signos de fogo podem moderar os usos extremos da sua energia cultivando, conscientemente, um tranqüilo e calmo estado de contentamento. Se os de “fogo” puderem aprender esta arte de aceitar calmamente a vida no aqui-e-agora, evitarão muitas tensões e muitos desgastes de energia.

Os de “terra” são os gnomos, que podem ser controlados pela generosidade jovial. Obviamente a generosidade jovial não é uma qualidade comumente encontrada nas pessoa de “terra”, mas é uma coisa que traz benefícios para todos ele ser for aprendida. A maior força e irradiação de “terra” resplandece quando eles assimilam essa qualidade na sua natureza. Os de “terra” quando assimilam essa qualidade resplandecem com maior força e irradiação.


********************



Autor: José Laércio do Egito - F.R.C.

A Natureza Humana do Elemento Fogo.



A Natureza Humana do Elemento Fogo


" O Fogo é essencial à vida. Só existe
vida onde há Fogo, desde o coração
do homem ao coração do Universo ".
O fogo é a própria vida
A antiga filosofia grega também estava baseada na doutrina dos quatro elementos, que eram equacionados como as quatro faculdades do homem: moral ( fogo ), estética e alma ( água ), intelecto (ar) e física ( terra ).

A Medicina Galênica que floresceu na Idade Media na Europa, e que até hoje ainda serve de base para o pensamento médico[1] filosófico e que ainda constitui a base da medicina alopática, está diretamente correlacionado com os quatro humores que por seu turno, falam dos quatro temperamentos humanos, que são citados em todos os antigos livros de medicina da Europa, e também nas obras de Shakespeare e de outros literatos.
No Japão há muitos exemplos da importância dos elementos. Num tratado zen-budista sobre a Bodhidharma, escrito em 1004 A. C. os elementos tradicionais são representados como as quatro qualidades que compõem a criação: Luz ( fogo ), ar, fluidez e solidez.

Os elementos também estão intrinsecamente contidos nas diversas mitologias desde a mais remota antigüidade. Já na antiga Suméria, onde a religião regia cada aspecto e cada atividade da vida, as divindades mais importantes correspondiam aos elementos: Anu , o céu (ar), Enlil, a tempestade (fogo) ; Ninhursaga, a terra; e Enki, as água.

O elemento fogo induz características bem marcantes em muitas pessoas dando-lhes personalidade fortes e dominadoras.

Genericamente o elemental do fogo é conhecido pelo nome salamandra[2]. Diz a Tradição que nenhum fogo é aceso sem o seu auxílio.

Os elementais do fogo estão presentes não apenas entre as chamas mas também em todos os meios, mesmo dentro do elemento terra e do elemento água. Onde quer que exista calor esses elementais se fazem presentes. Em tudo aquilo que estiver acima de zero grau absoluto os elementais do fogo ali se fazem sentir também. Muitos fenômenos ligados à matéria dependem da presença deles como os vulcões, por exemplo os fogos internos, os vulcões e todas as demais formas de calor inerentes.

Quando no indivíduo há predominância do elemento fogo ele se apresenta com temperamento explosivo. As pessoas fogo são emocionais, impulsivas e impetuosas.

O Fogo é um princípio transformador mas pode agir em dois sentidos. A predominância fogo pode transformar uma pessoa em líder, em condutor de outras pessoas, governantes e coisas assim. Mas, por outro lado, os indivíduos fogo quando desajustados, com facilidade tornam-se revolucionários, guerrilheiros, incendiários, extremistas, etc.

O elemento fogo intensifica a espiritualidade, a sua energia promove a destruição do que e velho e a edificação do que é novo, por isso as pessoas com predominância fogo constituem a maioria dos inovadores, daquelas pessoas pouco conservadoras, e que quando conseguem controlar a pressa e a impaciência que lhes são peculiares podem se tornar grandes pesquisadores.

Os elementais do fogo trabalham com o homem e com o mundo por intermédio do calor quer se trate da chama de uma vela quer a de um vulcão.

O indivíduo fogo prefere tratamentos por irradiação, pelo uso das cores, pelas compressas quentes e frias. Gosta do sol, por isso alegra-se nos dias ensolarados e muitos gostam de ficar horas a fio ao sol.

Quando em desarmonia a pessoa fogo tende a piromania, quando crianças gostam de fazer fogueiras[3], e estando em desequilíbrio estão sujeitos a se tornarem piromaníacos, incendiários, fazedores de bombas e coisas assim.

Tendência a comer muito e engordar pouco, pois os processos de assimilação são rápidos. Prefere alimentos leves. Metabolismo acelerado, o inverso da pessoa terra que dá preferência a alimentos pesados.

São pessoas irrequietas e hiperativas pelo que facilmente estão sujeitas a um desgaste físico, a um estado de stress.

Outra grande característica de fogo é a inquietude e a falta de paciência, tudo quanto faz tem que ser rápido, não suporta esperar, não gosta de voltar, de passar por onde já passou antes, quer sempre seguir em frente, não gosta de recuar e têm preferência por lugares altos, mas ainda mantém vínculos com o meio em que vive. O elemento ar geralmente tem essa característica mas não mantém vínculos. O fogo sempre está ligado à algo o que não acontece com o ar. Por outro lado enquanto o elemento fogo é dificilmente contido em algum recipiente o mesmo não acontece com o ar que pode ser contido em determinados objetos tal como o elemento água.. Por sua vez o elemento terra não necessita continente para ser mantido, mantém por si mesmo.

Os indivíduos do elemento fogo são denominados por algumas escolas de BIÓTIPO CARDÍACO - Shao Yang - ( Os japoneses chamam de biótipo porco ). São pessoas com muito brilho nos olhos, geralmente espontâneas e bastante extrovertidas, muito ativas, agitadas, impacientes, mas pouco persistentes. Embora sejam de natureza alegre, caem facilmente em depressão. Mesmo que sejam impulsivas, explosivas, mesmo assim podem ser consideradas de índole mansa, não guardam raiva.

Por ser o fogo uma força radiante e universal, uma energia excitável, as pessoas fogo têm em si mesmas entusiasmo e força inesgotável. Precisam de muito liberdade para se expressar e têm grande capacidade de insistência para obter o que desejam. Uma de suas falhas é o não perceber a sensibilidade alheia porque estão muito envolvidas com a própria sensibilidade.

O elemento fogo foi relacionado por Jung com o núcleo dinâmico da energia psíquica, aquela energia que flui espontaneamente, de maneira inspirada e automotivada. As pessoas de "fogo" são dominantes, egocêntricas e, normalmente bastante impessoais. Elas sentem que são canais de "vida" e não podem esconder facilmente o seu orgulho a respeito disto.

São pessoas de grandes decisões, de grande fé em si mesmas, cheias de entusiasmo, de uma força interior bem grande e de uma honestidade direta. Precisam de uma grande liberdade para poderem se expressar de forma natural, e normalmente garantem esse espaço para si mesmos por meio de uma incansável insistência nos seus pontos de vista. São capazes de exercer o poder coincidentemente, de impor o poder de sua vontade, mesmo que nem sempre de maneira. Sua vontade de ser e de se expressar livremente é quase que infantil na sua simplicidade, uma qualidade que às vezes parece cativante aos outros, mas, que também pode parecer ofensiva àqueles que são mais cautelosos e sensíveis, As faltas de fogo raramente se manifestam como uma má intenção.


O fogo é o próprio movimento
As pessoas "fogo" geralmente tendem a ser impacientes para as pessoas mais sensíveis, mais meticulosas, ou mais gentis, especialmente com aquelas que têm predominância de água e de terra. É se pressentisse que "água" o pode extinguir, e a terra o pode sufocar. Os elementos de ar "abanam" as chamas de "fogo", fornecendo-lhe novas idéias, por isto é que dizem que fogo é compatível com o ar.

Quanto à saúde são pessoas que apresentam falta de energia nos rins e excesso no estômago e coração. Sintomas mais comuns: Tendência a ter pés e mãos geladas, palpitações, taquicardias, ondas de calor subindo para a cabeça, dores de cabeça, pressão descontrolada, gastrite, queimação no estômago, diabete. Possui falta de energia nos rins, por isto o sabor salgado lhes é agradável. Têm excesso de energia no coração e no estômago. São alimentos bons para elas: Alface, frutas secas, ovos cozidos, escargot, peixes de água salgada.
As caraterísticas descritas acima refletem-se como qualidades pessoais nos indivíduos ligados a cada um dos elementos.

As salamandras são os elementais mais difíceis de ser controlados e compreendidos, o mesmo acontecendo com as pessoas de fogo. Não e fácil se compreender os propósitos, as intenções da pessoa fogo, e assim se prever as suas decisões. O fogo não tem forma própria por isso a pessoa também apresenta um perfil pouco definido, são de atitudes inesperadas e bruscas.

É uma pessoa que tem tendência para a música, executar e ouvir. Muitas vezes fica horas mirando o bruxulear do fogo e nessa condição tem muitas vezes visões e percepções.

Grande tendência a mudar de profissão, de divertimentos, de residência, de médico, de professor, de dentistas, de fornecedores, de amizades, e coisas assim pois a mudança, exatamente o contrário de terra. ( = transformação) é o seu forte)

Quando a pessoa fogo está em desarmonia ela tende ser atingida por doenças mentais e especialmente às cardíacas.

Embora a pessoa fogo tenha caráter forte mesmo assim em muitos momentos manifesta-se como fútil lembrando a pessoa ar, que é de natureza fútil e volátil.
A natureza fogo dá-se bem com a natureza ar. Quanto mais for abaixo o nível de manifestação do fogo no mundo denso mais ele tem necessidade do elemento ar. O ar ativa o fogo e pode até mesmo apagá-lo, e por sua vez o fogo aquece o ar ativando a sua manifestação.

Geralmente o indivíduo fogo se dá muito bem com o indivíduo ar pois o fogo como que precisa do ar; com as correntes de ar o fogo cresce, sobe, por sua vez o fogo aquece o ar e o eleva formando as correntes, os ventos.

Caminhadas é o seu forte, prefere a prática de esportes em que é exigido muita atividade física, tais como jogos de bola, ciclismo, basquete, futebol, etc.; trabalhos e atividades que envolvam grande atividade e dispêndio de energia. A pessoa fogo prefere se submeter a tratamentos de saúde com de base energética.

Não são pessoas muito presas aos familiares, porém não tanto quanto a pessoa ar. Embora não muito apegadas mesmo assim são pais exigentes daqueles que não admitem aposições.

São inflamáveis e por isso metem-se muito nos problemas alheios e quando agem muitas vezes não medem as conseqüências dos seus atos.


********************



Autor: José Laércio do Egito - F.R.C.



Notas:

[1] - Um dos erros que a literatura relacionada a medicina comete é mencionar Hipócrates como sendo o pai da medicina. Na realidade isto é verdade mas vale salientar, não o pai da Medicina Alopática, a medicina tradicional praticada no Ocidente. A Medicina Alopática, baseia-se nos ensinamentos de Galeno e não nos de Hipócrates. Hipócrates é pai da filosofia que rege a Medicina Homeopática e de outras formas que tratam a pessoa e não a doença; que afirmam não haver doenças e sim doentes.

[2] - Este nome foi escolhido em eras remotas pelo seguinte: um sensitivo quando observa o fogo pode ver nele elementais como formas alongadas. Há um réptil conhecido pelo nome de salamandra a respeito do qual existe a crença de que ele é capaz de passar de passar por dentro do fogo. Assim, as pessoas que tinham a capacidade perceber os elementais e não tinham o devido conhecimento sobre eles quando viam aquelas formas deslocando-se dentro fogo acreditavam que fossem salamandras.

[3] - Quando o segundo elemento predominante é o ar, vou vice-versa, a pessoa gosta muito de soltar balões

domingo, 16 de setembro de 2012

A Natureza Humana do Elemento Terra.



A Natureza Humana do Elemento Terra


" Cremos constituir um único ser
e há vários seres em nós, cremos
agir por nossa conta e no entanto
sofremos a influência de muitos seres..."



A tradição sobre os quatro elementos estão presentes em todas as culturas. No Tibete, por exemplo, aquelas contrações chamadas de "estupas" são gigantescos símbolos da estrutura da criação. A base da estupa é um grande cubo representando a terra, e sobre o qual repousa uma esfera que representa a água. No alto da esfera há uma estrutura semelhante à uma espiral simbolizando o elementos fogo. Bem no topo há uma meia-lua representando o ar e sobre a qual existe uma pequena esfera indicando o éter, para os tibetanos é a força primária da qual emanam todas as outras.
A estupa representa o alicerce básico da cosmologia tibetana, portanto, os elementos eram considerados como as energias fundamentais do Cosmos.

Na cultura da Índia vamos encontrar uma concepção bem parecida para os elementos, como podem-se ver nas escrituras sagradas da Índia ( Bhagavad Gita ).

As bases filosóficas da medicina indiana, a Medicina Ayuvédica, assim como a chinesa, a Acupuntura, também são baseadas nos conceitos dos elementos.

Facilita a nossa compreensão a respeito do elemento terra saber que tudo o que diz respeito a este elemento tem forma, tamanho e peso. Isto reflete-se na personalidade da pessoa de forma evidente. Assim é que a pessoa predominantemente terra é pesada, lenta, um tanto avesso às mudanças. Assim é que demonstram propensão por profissões que exigem pouca mobilidade, poucas mudanças. Como expressão de arte preferem a esculturas e confecção de artesanatos. Grande tendência a se tornar colecionador, museólogos, arquitetos.

Não gosta de mudar, vive "presa" a um local por isso é uma daquelas pessoas que gosta de passar as férias todos os anos num mesmo lugar. Não gosta muito de mudar e por isso muitas vezes vive a vida inteira numa mesma cidade, muitas vezes preferindo ficar sempre numa mesma cidade apegada aos bens materiais, à uma casa, objetos antigo, e coisas assim.

Qualquer situação nova lhe causa ansiedade ou mesmo irritação. Tendência a manifestar ansiedade de antecipação diante de qualquer evento. Se vão vai viajar não consegue dormir na noite anterior e em muitas situações pode isto chegar a causar algum distúrbio físico ( vômitos, diarréia )

O lado da fixidez faz com que ela tema as mudanças tornando-se uma pessoa econômica, exatamente o inverso da pessoa fogo e da pessoa ar que muitas vezes gastam até o que não tem.

A pessoa terra gosta de pássaros presos em viveiros, mas se houver suficiente influência do elemento ar quer vê-los soltos, livres.

A pessoa terra é lenta, adora os vegetais, e como profissão prefere a agricultura e outras ligadas ao próprio elemento ar. Tem grande amor as arvores. É bem afeita ao trabalho pesado, responsável, e dotada de sentimentos com fortes raízes.

Sente-se bem com o contato com a terra por isso sente necessidade de, pelo menos, numa parte, do dia ficar descalça.


Quando uma pessoa necessita recompor energia, como já falamos em palestras anteriores, ela pode capta-la na natureza, especialmente no que diz respeito à energia sutil. Assim sendo visando restaurar ou ampliar o índice pessoal de energia sutil mais facilmente pode-se fazer isso bem mais facilmente a partir do elemento ao qual está mais ligado. Assim sendo um pessoa fogo, por exemplo, se recompõe mais facilmente sua energia mantendo-se ao lado de uma fogueira, pela exposição ao sol e especialmente deixando que os raios solares penetrem em sua boca e se projetem sobre o véu palatino. Se a segunda predominância for ar é um bom momento para praticar algum tipo especial de respiração, até mesmo o respirar lenta e profundamente lhe beneficia de forma marcante. A pessoa ar recompõe a energia caminhando ao ar livre, expondo-se à uma brisa suave, e assim sente-se refeita das energias perdidas.

Prefere os medicamentos vegetais, alimentos vegetais, por isso tem tendência ao vegetarianismo. As pessoas do elemento terra geralmente são comilonas e quando nelas o segundo elemento é o fogo está sujeito a serem pessoas insaciáveis. Prefere alimentos pesados e têm tendência a engordar. O processo de assimilação é lento mas mais lento ainda é o de desassimilação por isto é que tendem a engordar.

Sente-se bem à sombra de uma árvore ou mesmo se por em contato com uma árvore, admira os penhascos, as montanhas; gostam de alpinismo pois especialmente quando tem forte influência do elemento ar.

Sexualmente forte mas não dada a aventuras amorosas, nisto difere muito da grande necessidade sexual de fogo e da voluptuosidade erótica de ar.

Uma pessoa terra facilmente recarrega-se de energia sutil quando se recosta à uma pedra, a um rochedo, ou mesmo à uma árvore, assim como o contato com o sol recarrega a pessoa ar e o contato com a água a pessoa água.

Terra não exige muito liberdade na sua maneira de viver e adaptam-se bem aos regulamentos. É naturalmente uma pessoa ponderada e que não explode fácil, resiste muito às transformações sociais, morais e religiosas. O fixo é o seu forte,

Prefere os esportes como atirar dardos, levantar peso e coisas assim.

São as pessoas que correspondem ao denominado BIÓTIPO PULMONAR = Tai Yin. ( Os japoneses denominam de "Tipo Vaca".

São pessoas com corpo gelado, friorentas, pescoço bem desenvolvido, pernas curtas, muito transpirantes.

Tratam-se de pessoas persistentes e teimosas, que mesmo sabendo que estão erradas não mudam.

O indivíduo "terra" sempre está em contracto com os sentidos físicos e com o aqui-e-agora do mundo material, por isto raramente é preciso dizer a eles de que modo devem-se adaptar ao mundo para ganhar a vida, como suprir as necessidades básicas, ou como devem persistir até que um objetivo seja alcançado. Estão sempre sintonizados com o mundo das formas que os sentidos e uma mente prática encara como real. Têm compreensão inata a respeito de como o mundo material funciona, e isto lhes dá mais paciência e autodisciplina do que têm os outros elementos. Tentem a confiar mais nos sentidos e no próprio raciocínio do que nas inspirações, nas considerações teóricas, ou na intuição.

São pessoas interesseiras e com facilidade de relacionamento. O elemento terra tem muita objetividade nas cosias, têm os "pés no chão", que acreditam mais nos sentidos, nas razões praticas das coisas; mais ligadas aos elementos da subsistência, do suprir necessidades básicas. São receptivas como a terra, mas de decisão forte e grande força de vontade. Têm muita persistência, eficiência e que falam e agem de forma objetiva e cautelosa. Como se ligam nas coisas materiais elas podem facilmente apegarem-se à rotina e à ordem. Geralmente não gostam do lado abstrato das coisas, da filosofia e da metafísica.

Diz o psicólogo C. E. O. Carter: "Os terra" vêem a natureza como um campo para a manifestação da vida, e por meio da sua afinação instintiva com o mundo material eles são capazes de ajudar a manter a vida através da utilização e do domínio dos processos naturais. Enquanto isto para "ar" a natureza é algo para ser percebida, compreendida e utilizada, sendo a compreensão a condição para uma utilização completa e correta".

O Biótipo Pulmonar tem falta de energia no pulmão e excesso no fígado; têm muitos problemas de intestino, hemorróidas, hiper ou hipotensão com igual facilidade; e doenças do aparelho respiratório. O sabor picante atende às funções respiratórias quando em doses moderadas. São recomendados o alho, cebola, rabanete, pistache. O sabor doce lhes é conveniente pois seca o fígado pois que nele há excesso de energia e baixa energia no pulmão.

Geralmente escolhe atividades e trabalhos diretamente ligados à terra como agricultura, criação de animais. Na trabalhos sedentários em gabinetes fechados, escritórios, vida sedentária por excelência. Não gosta de caminhar pois é ou sente-se pesada.

Quando está em desequilíbrio tem tendência para doenças dos ossos e dos músculos. Gostam muito de sais minerais e vitaminas. Prefere tratamentos à base de massagens, pressão local, cataplasma, ungüentos e coisas assim..

É mais de fazer do que de mandar, o inverso de fogo e de ar. Fogo manda mas administra e se faz presente incentivando e resolvendo situações, enquanto ar manda mas não estimula, por assim dizer, ar manda e sai de perto. Isto é o que se pode ver observando o próprio elemento. O fogo embora apresente-se em chamas irrequietas, um tanto livres mesmo assim sempre está ancorada em alguma outra coisa, especialmente no elemento terra ( mineral, vegetal, etc. ) O ar é livre praticamente só está preso à força de gravidade. Ele muda rapidamente e desloca-se para lugares diferentes em rápida sucessão.

O comportamento sexual de terra embora não seja muito intensamente praticado ele o manifesta de forma um tanto brutal. Gosta de muitos filhos, de prole numerosa e a mulher terra geralmente é uma dona de casa eficiente por ser bem apegada ao lar e aos filhos, por ser caseira e firme nos propósitos.

A pessoa terra não tende a ter temperamento colérico, explosivo mas, por outro lado, está sujeita a ser rancorosa o que não acontece com o ar e o fogo que são explosivos mas não rancorosos.

Dificilmente se envolve com os outros, Medem e pesam todas as conseqüências, são comedidos.

Gostam de colecionar pedras, fósseis, adoram pedras preciosas, por isso mesmo quando não as possuem gostam de trabalhar em oficinas, de jóias, ou serem avaliadores de jóias .

Os artistas de cada elemento retratam muito das coisas ligadas ao elemento que lhe é peculiar.

Tendência a mestres a artesão, gostam de construir coisas, escultores, joalheiros. /são ótimos ferreiros e metalúrgicos.


colheita
Os Gnomos ( um tipo de elementais do elemento terra )são conhecidos por conhecerem os tesouros ocultos, os metais e pedras preciosas.

Uma pessoa do elemento terra gosta muito de contos, estórias e lendas. Tem propósito firme e não desiste facilmente, muito obstinada, pouco impetuosas, não intempestiva.

Tendência a engenharia, as construções de edifícios, estradas, barragens. Engenharia civil é o seu estudo predileto.
Pelo que temos descrito vê-se a interação da natureza das coisas, o como uma coisa se reflete numa outra, o como os elementos refletem-se na personalidade, mostrando isto que tudo está ligado e as formas de existência se independem. Assim é que são sábias as palavras do Mestre Philippe de Lyon quando diz:

... "Cremos constituir um único ser e há milhões em nós; cremos dispor de livre-arbítrio absoluto e não o temos; cremos possuir um pensamento, cremos agir por nossa própria conta, e no entanto sofremos a influência de todos os seres que estão conosco. Cremos possuir uma coisa, e essa coisa é também a propriedade de outros seres que muitas vezes nem conseguimos ver..."

Vemos que todas as coisas se interdependem, que de alguma forma estão unidas em algum nível, que as coisas embora não estejam unidas em totalidade mesmo assim estão interrelacionadas como decorrência de elos comuns que existem em um nível diferente. Seja em que nível for coisa alguma está isolada pois que há sempre algum tipo de vinculo entre elas.

Até mesmo na personalidade aquele vínculo se faz presente. Vemos isso nitidamente quando comparamos a personalidade de uma pessoa com as características dos elementos da natureza. Assim é que na personalidade de uma pessoa há o reflexo dos elementos da natureza, em maior ou menor grau de conformidade com a maior ou menor relação com os elementos.

Pelo que acabamos de dizer vale a pergunta: - Sendo assim as características de uma pessoa não tem nada haver com o espirito, então a maneira de ser de uma pessoa não tem nada haver com o espirito propriamente e sim com o corpo ? - De uma certa forma é assim pois é a matéria, quer a nível genético quer a nível elemental, quem marca as características próprias da maneira de ser, mas temos que considerar que um corpo mesmo sendo moldado segundo bases genéticas e elementais mesmo assim ele constitui-se exatamente aquele corpo que um determinado espirito necessita no seu desenvolvimento. É a matéria quem determina características que o espírito requer assim o que uma pessoa mostra ser é inerente passivamente ao corpo e ativamente ao espírito.

Para que isso possa melhor entendido voltemos a um exemplo que já usamos em um tema anterior em que dissemos que o corpo é o instrumento e o espirito o musicista. As características do som, etc. são inerentes ao instrumento ( elemento passivo) mas a habilidade de toca-lo é do musicista (elemento ativo ). O instrumento é moldado não pelo musicista, apenas é utilizado por ele segundo a sua capacidade pessoal. Se um musicista sabe tocar piano é este o instrumento que necessita para se apresentar e receberá um piano e não uma flauta para faze-lo.

Assim também é verdade no que diz respeito à relação espírito/corpo. Este é moldado independentemente do espirito mas é possuído por um espirito que necessita exatamente de um corpo com aquelas condições. Se assim não fosse a hereditariedade seria algo inerente ao espirito e não ao corpo como demonstra a ciência. Um filho não teria características dos pais mas sim dele mesmo de encarnação anterior. As características pessoais seriam ligados à linhagem espiritual e não à biológica. A ciência prova o inverso as características da pessoa são frutos da hereditariedade biológica, não só as morfológicas, mas também as psicológicas e emocionais.

Via de regra se encontra no filho muito das características temperamentais dos pais e mesmo de outros ancestrais que ainda estão vivos. Neste caso como explicar que o temperamento é algo inerente ao espírito e não à matéria? - Vejamos isto; por exemplo, na realidade a capacidade de irritabilidade de uma pessoa está implícita no corpo de forma passiva e que pode ou não ser ativada, em maior ou em menor grau, pelo espirito[1]. Se o espírito for calmo ele não ativa a agressividade inerente ao corpo que possui, tal como um o piano, embora contendo uma determinada nota esta não soa se não for percutida pelo pianista. Cabe ao pianista num teclado repleto de notas extrair uma música utilizando-se das notas adequadas e evitando as inadequadas. No piano há a "predisposição" para o inverso e o comando é dado pelo pianista que tem que superar, que evitar percutir notas inadequadas e percutir notas adequadas. O aprendizado do tocar consiste, pois, no saber usar ou não usar na execução aquilo que for preciso para que a apresentação seja perfeita. Na relação corpo/espírito é exatamente assim também. No corpo está inerente aquilo que este tem de evitar ou de utilizar. Nisto é que reside uma das necessidades do espirito receber um corpo para se desenvolver.

Na realidade é a matéria quem traz as características da pessoa registradas, mas que correspondem exatamente àquelas que o espirito precisa aprender a corrigir, condições a serem superadas, vencidas. Se as características fossem inerentes somente ao espirito, para que então a matéria, para que encarnar se ele tinha em si as possibilidade de execução? O corpo é "preparado" com barreiras que devem ser vencidas, superadas pelo espírito, e nisto reside o principio da transformação no desenvolvimento.

Pelo que dissemos pode-se sentir não ser conflitivo quando é dito que as características pessoais resultam de alguns fatores de natureza genética como afirma a ciência oficial, e dos elementais da natureza como afirmam alguns sistemas místicos, mas que dificultam o entendimento quando as religiões e sistemas místicos concomitantemente também dizem que é o espirito e não a matéria quem responde pela maneira de ser, pelas características de uma pessoa. Afirmamos sim, a matéria é o instrumento e o espirito o musicista e que cada musicista recebe o instrumento mais adequado para o exercício de sua arte.


********************



Autor: José Laércio do Egito - F.R.C.